segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

A sua casa tem o certificado energético?

Desde dia 1 de Dezembro, os anúncios de venda ou aluguer de casas sem este documento são penalizados com multas entre 250 e 45 000 euros. Saiba o que fazer para obter os melhores resultados. 

Quatro anos depois de ter sido criado, o certificado energético deixou de ser obrigatório apenas no momento da venda de um edifício para ter de constar, também, do anúncio  da comercialização ou arrendamento. Com esta mudança, em vigor desde 1 de Dezembro, pretende-se alargar a avaliação ao estado energético dos edifícios construídos no País, obedecendo à transposição das directivas comunitárias do domínio da poupança energética. A nova lei trouxe também novas fórmulas de cálculo da eficiência energética.

O que é o certificado?
É um documento que avalia a eficácia energética de uma habitação, numa escala com oito categorias de A+ (muito eficiente) a G (pouco eficiente). É obrigatório para edifícios novos e usados, para vender ou arrendar e desde o início da sua comercialização.

Quem pode fazer?
Apenas os técnicos autorizados.
Contacte a AMES - Agência Municipal de Energia de Sintra.
Telefone: 21 928 12 41;
Email: geral@ames.pt;
Site: www.ames.pt

O que é necessário?
Caderneta predial urbana, certidão de registo na conservatória, dados do proprietário e NIF, projecto de arquitectura ou plantas/cortes do imóvel, projectos de especialidades, ficha técnica da habitação e fichas ou especificações técnicas dos materiais e/ou sistemas construtivos utilizados.

O que é analisado?
A insonorização, isolamento térmico e qualidade do ar. São avaliados os materiais utilizados na construção e usados equipamentos de eficiência energética que, na área e localização do imóvel, permitem perceber, por exemplo, se a casa é muito fria ou pouco insonorizada.

Como melhorar os resultados?
Juntamente com o certificado, cada perito entrega ao proprietário do imóvel um relatório com medidas propostas para melhorar determinados comportamentos da casa. As sugestões podem passar pela mudança de caixilharia das janelas ou a instalação de um aquecimento central. Mas a sua alteração é apenas sugestiva e não obrigatória.

Os edifícios podem chumbar na avaliação?
Apenas os novos, se tiverem um classificação inferior a B-.

Quanto tempo pode demorar este processo?
Depende do trabalho . Mas pode ser feito em dois ou três dias, já que os técnicos têm autonomia para tratar de todo o processo, com excepção do pagamento das taxas, que deve ser feito à ADENE.

Qual a validade dos certificados?
Dez anos.

Qual o valor das multas, em caso de incumprimento?
No caso dos particulares, varia entre €250 e €3 740. Para os sujeitos colectivos, as coimas oscilam entre €2 500 e 45 mil euros.

segunda-feira, 23 de dezembro de 2013

Boas Festas 2013


quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

Governo cria regulador para os combustíveis

O governo formalizou a alteração aos estatutos da EGREP, entidade que gere as reservas estratégicas de produtos petrolíferos, que passa a designar-se ENMC – Entidade Nacional para o Mercado de Combustíveis e vê as suas competências alargadas, no que diz respeito, por exemplo, à defesa do consumidor. Em despacho publicado nesta segunda-feira pelo Ministério do Ambiente, Ordenamento do Território e Energia, Jorge Moreira da Silva prevê ainda a criação de um Conselho Nacional para os Combustíveis, que deverá “proporcionar referências aos consumidores” e “monitorizar o funcionamento do mercado de combustíveis”.

O Conselho Nacional para os Combustíveis será composto por “representantes dos intervenientes nos sectores do petróleo e dos biocombustíveis” e deverá emitir um parecer anual sobre o funcionamento do mercado dos combustíveis; emitir um parecer semestral sobre preços de referência dos combustíveis e dinamizar e publicitar a plataforma relativa aos preços dos combustíveis praticados pelos comercializadores retalhistas.


segunda-feira, 16 de dezembro de 2013

Notícias soltas #37

Fotovoltaico: EUA ultrapassam Alemanha A capacidade de energia fotovoltaica instalada nos EUA bateu os 930 MW no terceiro trimestre deste ano, ultrapassando, pela primeira vez em 15 anos, a líder mundial Alemanha. De acordo com a pesquisa U.S Solar Market Insight Q3 2013, desenvolvida pela GTM e pela Associação de Indústrias de Energia Solar (SEIA, nas siglas em inglês), os resultados representam o segundo melhor trimestre na história do mercado norte-americano e o melhor trimestre de sempre em termos de instalações de fotovoltaico residenciais. A estado da Califórnia é o líder deste mercado - instalando 455 MW no terceiro trimestre do ano – e a Carolina do Norte passou a ocupar a terceira posição, com um crescimento de 23% ao longo do último trimestre.

Carvão ainda “está para ficar”, considera AIE O crescimento da procura global por carvão vai abrandar nos próximos anos, avança um relatório lançado hoje da Agência Internacional de Energia (AIE), mas esta fonte energética ainda “está para ficar por um grande período de tempo”, afirmou a directora-executiva da AIE, Maria van der Hoeven. “O carvão é abundante e seguro do ponto de vista geopolítico e as centrais a carvão integram-se facilmente nos sistemas eléctricos existentes. Com vantagens como estas, é fácil entender porque a procura por carvão continua a crescer. Mas é também igualmente importante sublinhar que o carvão, na sua forma actual, é simplesmente insustentável”, admitiu.

sexta-feira, 13 de dezembro de 2013

Horizonte 2020 com 15 mil milhões para os primeiros dois anos

A Comissão Europeia acaba de lançar o primeiro conjunto de convites à apresentação de projectos no âmbito do Horizonte 2020, o programa-quadro de investigação e inovação da União Europeia, cujo orçamento se eleva a 80 mil milhões de euros. Contando com mais de 15 mil milhões de euros para os dois primeiros anos, “o financiamento destina-se a contribuir para estimular uma economia europeia baseada no conhecimento e abordar questões que vão fazer a diferença na vida das pessoas”, lê-se no comunicado. Este montante destina-se a doze áreas que serão objeto de medidas específicas em 2014-2015, incluindo temas como as cidades inteligentes, eficiência energética, reciclagem ou revalorização de resíduos.  

Os convites à apresentação de propostas de 2014-2015 incluem, neste período de dois anos, 500 milhões de euros destinados às pequenas e médias empresas inovadoras, através de um novo instrumento a favor das PME. Existem igualmente novas regras que facilitam o livro acesso aos resultados dos projetos.

Para apresentação de projectos: 
http://ec.europa.eu/research/participants/portal/desktop/en/experts/index.html


quarta-feira, 11 de dezembro de 2013

CE deverá abrir candidaturas a “Smart Cities & Communities”

A Comissão Europeia (CE) deverá abrir as candidaturas de projectos à iniciativa "Smart Cities and Communities" hoje, dia 11 de Dezembro, segundo avançou Associação Europeia de Autoridades Locais, Energy Cities. As propostas devem tocar a instalação de tecnologias de energias sustentáveis integradas nas áreas urbanas e serão financiadas pelo novo programa para a investigação e inovação europeu, Horizonte 2020, com um budget de 92 milhões de euros.

Os projectos apresentados devem focar-se em distritos com baixas necessidades de energia (ou quase zero), através, por exemplo, da integração e gestão do fornecimento de energia com exploração predominante ao nível dos recursos locais ou renovação de edifícios, com custo-benefício e sem perturbar os inquilinos. As propostas podem ainda dizer respeito a infra-estruturas integradas - através da integração física de infra-estruturas como para redes principais ou iluminação urbana – ou à mobilidade urbana sustentável, onde se encaixam, entre outros, a integração de infra-estruturas de energia para frotas de veículos, alimentados por energias alternativas, que servem de transporte público ou privado.

segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

Nova Regulamentação Térmica: cinco portarias já são conhecidas

Com a publicação no passado dia 4 em Diário da República da Portaria nº353-A/2013, referente à Qualidade do Ar Interior (QAI) nos edifícios de comércio e de serviços, o Governo finaliza a publicação das portarias que complementam os diplomas da revisão da Regulamentação Térmica dos Edifícios - Lei nº118/2013, que coloca em vigor os novos Sistema de Certificação Energética (SCE), Regulamento de Desempenho Energético dos Edifícios de Habitação (REH) e Regulamento de Desempenho Energético dos Edifícios de Comércio e Serviços (RECS). 

Os valores mínimos de caudal de ar novo por espaço, os limiares de protecção e as condições de referência para os poluentes do ar interior nos edifícios de comércio e serviços novos, sujeitos a grandes intervenções e existentes e a metodologia de avaliação ficaram ontem definidos na Portaria nº353-A/2013. Esta junta-se às Portarias nº 349-A/B/C/D, publicadas também nos últimos dias.

sexta-feira, 6 de dezembro de 2013

Pequena geração renovável é parte da aposta do Governo

A pequena geração renovável faz parte das apostas do Governo para a energia, juntamente com a eficiência energética, garantiu o secretário de Estado da Energia, Artur Trindade, na passada sexta-feira em Palmela. O governante, que falava no âmbito da conferência “Estratégias para a sustentabilidade energética e ambiental dos territórios”, reafirmou a importância da eficiência energética na política para a energia nacional, mas reforçou que as energias renováveis não estão fora da equação: “A pequena geração renovável é uma aposta ao lado da eficiência energética”.

Artur Trindade deixou também clara a intenção de desbloquear as barreiras à eficiência energética, em particular a que diz respeito ao financiamento, apresentando como solução a disponibilização de fundos.

A conferência “Estratégias para a sustentabilidade energética e ambiental dos territórios” teve lugar na passada sexta-feira em Palmela e foi organizada pela ENA, RNAE e Europe Direct – Península de Setúbal.

quarta-feira, 4 de dezembro de 2013

Assembleia-Geral da AMES

Decorreu no passado dia 2 de Dezembro, nos Paços do Concelho, a Assembleia-Geral da AMES, onde foi apresentado o Plano de Actividades assim como o Orçamento para 2014, aprovados por unanimidade.

Algumas apresentações estão disponíveis aqui: 

segunda-feira, 2 de dezembro de 2013

Parques de Sintra eleita "melhor empresa do mundo em conservação"

A empresa pública Parques de Sintra Monte da Lua (PSML) venceu hoje o World Travel Award de "Melhor empresa do mundo em conservação", prémio entregue numa cerimónia em Doha, no Qatar.

A votação do prémio internacional é realizada pelo público em geral e por mais de 200 mil profissionais de agências de viagens e turismo oriundos de 160 países. 

O presidente do conselho de administração da empresa que gere património como o Palácio da Pena ou o Castelo dos Mouros (Sintra), António Lamas, disse que o prémio significa o "reconhecimento do enorme trabalho" feito pela PSML na área da conservação. 

"É o ‘Nobel do Turismo' e vamos, certamente, ter efeitos positivos na atracção de turistas. Se não houvesse qualidade nos serviços que desenvolvemos, nada disto aconteceria, é um prémio que coloca a empresa num patamar de nível mundial", referiu. Também em declarações à agência Lusa, o secretário de Estado do Ordenamento do Território e Conservação da Natureza afirmou que a PSML destronou a empresa sul-africana que há quinze anos consecutivos tem vencido esta categoria dos World Travel Awards. 

"Este prémio é extraordinariamente relevante, é um prémio de nível mundial, que reconhece não só a excelência da Parques de Sintra Monte da Lua no campo da conservação, mas também algo que nós perspetivamos como um centro estratégico para o nosso pais, um sinal de que temos potencial para tornar Portugal um destino para o turismo de conservação da natureza e da biodiversidade", sublinhou. 

Fonte: Oje

quarta-feira, 27 de novembro de 2013

Universitários apostam na Eficiência Energética

Cerca de 20 alunos criam projectos de investigação na área da eficiência energética, ao abrigo do programa Galp 20-20-20, em parceria com empresas e as suas universidades. Este ano foram 21 projectos, apresentados quinta-feira na sede da Galp, em Lisboa, seguindo o modelo "elevator pitch", onde estiveram também presentes representantes de start ups e de capital de risco.

Os projectos têm por base racionalizar o sistema energético das empresas onde decorre o estágio, identificar e recomendar oportunidades de melhorar o consumo de energia e, sempre que possível, criar novas ferramentas de apoio à gestão energética, desenvolvendo-se em vários sectores de actividade: desde a hotelaria, para a qual foram propostas formas mais eficientes de gerir a ocupação dos quartos tendo em conta os gastos energéticos associados, ao sector industrial, cujas propostas se prendem com melhorias no processo de produção, através da recuperação de calor ou na manutenção mais cuidada das máquinas, houve sugestões para todos os gostos. E o presidente executivo da Galp, Ferreira de Oliveira, garantiu que cerca de 30% das empresas adoptou as sugestões dos estudantes, tendo visto os seus gastos em energia descer entre 9% e 12%.

segunda-feira, 25 de novembro de 2013

Energia solar bate eólica pela primeira vez

A capacidade instalada de energia solar irá, pela primeira, superar a da energia eólica em termos globais, de acordo com dados da Bloomberg New Energy Finance. “As fábricas fotovoltaicas irão acrescentar 36.7 gigawatts globalmente em 2013, contra 35,5 gigawatts da energia eólica – quase 25% menos do que no ano passado”, explicou a empresa de pesquisa em comunicado.

De acordo com a Bloomberg, a energia solar irá aumentar a sua capacidade em 20%, tendo em conta os números de 2012. A empresa avança ainda que estes números têm apenas em conta a energia solar fotovoltaica. Muitos locais usam aquecedores de água a energia solar e há ainda centrais solares que geram energia directamente do sol – em vez de o fazer por via fotovoltaica.

Estes dados têm como pano de fundo a contínua redução do custo da energia solar por watt e os incentivos governamentais vindos de países como o Japão ou China. Por outro lado, a energia eólica, que ainda há dois anos crescia duas vezes mais que a energia solar, tem abrandado na Europa, Estados Unidos e China. Isto deve-se, também, à falta de clareza da política energética.

Até 2030, estas duas tecnologias irão contribuir para uma nova era de electricidade global. A energia eólica deverá representar 17% da energia global em 2030 – actualmente representa 5% -, enquanto a energia solar representará 16% – hoje, este número situa-se nos 2%.

Fonte: GreenSavers

sexta-feira, 22 de novembro de 2013

Agência para a Energia anuncia linha de investimento para diminuir gastos no sector público


A Agência para a Energia (ADENE) anunciou que vai gerir uma linha de investimento de 36 milhões de euros, "para diminuir os gastos energéticos do sector público" na região de Lisboa e Vale do Tejo.

"Os edifícios ligados ao Estado e às autarquias, a iluminação de rua e os semáforos da região de Lisboa vão proporcionar novos negócios às empresas de serviços energéticos. O programa é financiado pelo Banco Europeu de Investimento e será gerido pela ADENE - a agência portuguesa para energia. Bastarão 3,5 anos para o investimento inicial ser recuperado", refere um comunicado hoje divulgado. A linha de investimento, à qual poderão concorrer empresas de serviços energéticos, adianta a nota, estará disponível a partir do início de 2014.

"Calcula-se que com um investimento de 36 milhões se obtenham poupanças anuais de 100 GWh, ou seja, de mais de 10 milhões de euros por ano. O investimento inicial será, assim, recuperado em cerca de três anos e meio", garante.

Fonte: Económico

quinta-feira, 21 de novembro de 2013

PressEurop: “Preços elevados da eletricidade ameaçam prosperidade da Europa”


“A Europa perde cada vez mais terreno em matéria de energia em comparação com outras potências económicas”, sublinha o World Energy Outlook Special Report 2013 apresentado a 12 de novembro pela Agência Internacional de Energia (IEA).

Ao mesmo tempo que o gás muito barato permitiu a reindustrialização dos Estados Unidos, “os investidores saíram da Europa”, lamenta Der Standard. Até 2035, a produção e as exportações de produtos cuja fabricação exija muita energia aumentará muitíssimo nos países emergentes da Ásia e em menor medida também nos Estados Unidos. 

Fonte: PressEurop

POLÍTICA ENERGÉTICA: Cada um com a sua energia A Alemanha aposta nas energias verdes, a Polónia investe na extração de gás de xisto e o Reino Unido na construção de novas centrais nucleares: em matéria de energia, a corrente passa mal entre os europeus. 


segunda-feira, 18 de novembro de 2013

Notícias soltas #36

CO2 na atmosfera bate novo recorde em 2012 Em 2012, o nível médio de CO2 na atmosfera atingiu um novo recorde: 393 partes por milhão. O aumento entre 2011 e 2012 foi maior do que a subida média dos últimos dez anos, de acordo com a mais recente avaliação da OMM, divulgada na passada quarta-feira.

O limite de 400 partes por milhão já tinha sido ultrapassado pontualmente nalgumas estações de medição de CO2 no Árctico em 2012 e noutras partes do mundo já este ano, incluindo em Mauna Loa, no Havai — onde o dióxido de carbono é monitorizado desde a década de 1950. Os cálculos de agora da OMM levam em conta várias estações, de 50 países diferentes, de modo a se chegar a uma média anual para toda a atmosfera. É esta média que deverá ultrapassar aquela marca em 2015 ou 2016.

Desflorestação da Amazónia aumentou 28% no último ano O ritmo de destruição da Amazónia tem vindo a cair desde 2004, ano em que desapareceram quase 28 mil quilómetros quadrados da mancha florestal. Nos últimos quatro anos, a área destruída foi sempre reduzindo, de tal forma que no ano passado caiu para um mínimo histórico: 4571 quilómetros quadrados, entre Agosto de 2011 e Julho de 2012.

Nos últimos anos, a diminuição da desflorestação tinha deixado o Brasil bem visto. O país parecia estar a fazer o trabalho de casa para reduzir as emissões de gases com efeito de estufa. A ministra do Meio Ambiente brasileira, Izabella Teixeira, classificou esta reviravolta como "inaceitável" mas não acredita que isso vá prejudicar a imagem do Brasil em Varsóvia.

Japão recua nas metas de redução de gases poluentes O Japão anunciou que vai recuar nas metas de redução da emissão de gases com efeitos de estufa. Tem agora um objectivo muito menos ambicioso: diminuir em 3,8% as emissões em comparação com os níveis de 2005, até 2020.

A nova meta foi anunciada nesta sexta-feira pelo ministro do Ambiente japonês, Nobuteru Ishihara, em Tóquio. "Vamos estabelecer uma meta mais definitiva com base na evolução dos planos para o futuro [para a energia nuclear]", afirmou Ishihara aos jornalistas.

sexta-feira, 15 de novembro de 2013

Associação de Energias Renováveis integra Confederação de Serviços de Portugal

A Associação de Energias Renováveis (APREN), que inclui 60 empresas que representam 87% da energia renovável em Portugal, passou a integrar a Confederação de Serviços de Portugal (CSP), divulgou esta em comunicado.

Esta adesão “veio preencher um espaço de respresentatividade dos empregadores portugueses que estava vazio, dando voz a um sector empresarial absolutamente crucial para o país em matéria de emprego, investimento e criação de riqueza”, referiu Luís Reis, presidente da CSP.

Na mesma nota, António Sá da Costa sublinha que as energias renováveis “passaram, no espaço de 25 anos, a representar um terço do consumo energético em Portugal e a tendência é para o crescimento”. Com a adesão à CSP, a Associação das Energias Renováveis “quer reforçar a voz dos seus associados, dando efectiva resposta aos problemas e desafios que as nossas empresas enfrentam, de forma a tornarem-se mais competitivas e saudáveis [e] ajudar o país a sair da crise”, adiantou.

A Confederação dos Serviços de Portugal integra 20% do Produto Interno Bruto nacional e representa mais de 220 mil postos de trabalho. 

quarta-feira, 13 de novembro de 2013

Seminário Final Projecto IPSS-OCS

O PPEC 2011-2012 promovido pela ERSE permitiu concretizar uma iniciativa que visa realizar 33 diagnósticos energéticos em IPSS nos concelhos de Oeiras, Cascais e Sintra. O objectivo é ajudar as instituições a reduzir o seu consumo de energia, com particular atenção à utilização de energia eléctrica.

Esta iniciativa tem como promotor a OEINERGE - Agência Municipal de Energia e Ambiente de Oeiras, contando com parceiros as agências de energia de Cascais e Sintra. Cada IPSS recebe um diagnóstico energético e uma sessão de esclarecimento sobre utilização racional de energia para os seus funcionários e utentes.

  • 3 concelhos 
  • 33 diagnósticos
  • 33 sessões de esclarecimento
  • 1+1+1 comunidade eficiente
  • 1 Seminário de Apresentação dos Resultados Finais do projecto IPSS-OCS
Este seminário ocorrerá no próximo dia 21, na Biblioteca Municipal de Oeiras, cujo programa se segue:

segunda-feira, 11 de novembro de 2013

Projecto português de pastagens contra as alterações climáticas vence concurso europeu

O grande vencedor do concurso europeu "Um mundo que me agrada", para a melhor solução contra as alterações climáticas, é um projecto português: considerou-se que Pastagens Semeadas Biodiversas preconiza uma solução inovadora para a redução das emissões de dióxido de carbono, a erosão dos solos e os riscos de incêndios florestais, aumentando ao mesmo tempo a produtividade das pastagens.

Anunciado na passada quinta-feira à noite em Copenhaga (Dinamarca) pela Comissão Europeia, na cerimónia de entrega dos prémios Sustainia, o prémio distingue um projecto promovido pela Terraprima, empresa de serviços ambientais portuguesa, e envolve mais de 1000 agricultores portugueses. Sustentada por três projectos financiados pelo Fundo Português do Carbono, a Terraprima fez, desde 2008, contratos com estes agricultores, pagando-lhes pelos serviços de captura de carbono feita pelas pastagens biodiversas.

Estas pastagens são formadas por 20 variedades diferentes de plantas. A pastagem acaba por se adaptar ao tipo de solo onde é plantada. Os agricultores têm de comprar estas sementes e, posteriormente, têm o apoio técnico da Terraprima durante o projecto.

Além de capturarem mais carbono, estas pastagens enriquecem o solo de matéria orgânica, protegem contra a seca e são mais nutritivas para os animais que se alimentam delas, evitando que os agricultores tenham de comprar mais alimento, que normalmente  é produzido de uma forma intensiva.

Fonte: Ecosfera

sexta-feira, 8 de novembro de 2013

Green Project Awards distingue 19 projectos “amigos” do ambiente


Produção biológica de vinha, conservação de matos no Parque Nacional da Peneda-Gerês, valorização do bagaço de azeitona e um programa que evita a impressão de recibos – estes são apenas quatro dos 19 projectos distinguidos nesta terça-feira pelo Green Project Awards (GPA), o galardão que desde 2008 premeia iniciativas de desenvolvimento sustentável.

No que toca à categoria a que a AMES concorreu com o seu Projecto com a Junta de Freguesia de Queluz, Gestão Eficiente de Recursos, a EPAL – Empresa Portuguesa de Águas Libres venceu o prémio nesta categoria com o sistema de gestão de redes e controlo de perdas Wone, que permite actuar em antecipação, prevenindo rupturas. Ainda nesta categoria, a empresa Esporão teve uma menção honrosa com um projecto de racionalização de utilização de recursos, como a água, na Herdade do Esporão.

Os prémios foram entregues no passado dia 29 a conferência "Mobilizar Portugal para a Economia Verde", que decorreu na Fundação Champalimaud, em Lisboa. Os 19 vencedores foram escolhidos entre quase 200 candidatos. Desde 2008, as entidades promotoras dos GPA já receberam mais de mil candidaturas e premiaram mais de 50 projectos.

Fonte: Ecosfera

quarta-feira, 6 de novembro de 2013

Seminário "Energia para a Sustentabilidade Local"

Ocorrerá no próximo dia 29 em Palmela o Seminário "Estratégias para a Sustentabilidade Energética e Ambiental dos Territórios", pelas 14h30.

Consulte aqui o programa.

segunda-feira, 4 de novembro de 2013

Comissão Europeia apela a participação para reduzir lixo oceânico

A quantidade de poluição nos oceanos, especialmente por plásticos, afecta negativamente a biodiversidade e saúde dos oceanos. Na Conferência das Nações Unidas para o Desenvolvimento Sustentável – Rio+20, realizada em 2012 no Rio de Janeiro (Brasil), propôs-se que a quantidade de resíduos sólidos, incluindo plásticos, nos mares e oceanos fosse reduzida até 2025.

A Comissão Europeia quer ir mais longe com o seu 7º Programa de Ambiente, proposto em 2012, e que inclui várias medidas de protecção ambiental e do seu impacto na saúde humana. Pretende, assim, estabelecer uma meta de redução do lixo marinho para todos os Estados-membros.

Neste momento, todos os interessados – indústrias de plásticos, de pescas ou de navegação, organizações não-governamentais, autoridades locais e nacionais e todos os cidadãos – são convidados a preencher um questionário em inglês, para avaliar o que pensa cada um destes grupos sobre as medidas que poderão ser tomadas. O questionário pode preeencher-se até ao próximo dia 18 de Dezembro.

Ilhas de lixo

Das cerca de 90 milhões de toneladas de plásticos usadas anualmente em todo o mundo, 10% acabam nos oceanos, formando gigantescas ilhas de lixo pela influência das correntes oceânicas. Uma das maiores ilhas de plástico está localizada no Pacífico Norte: tem três vezes a área da Península Ibérica (1,76 milhões de quilómetros quadrados) e dez metros de profundidade.

Mas isto é apenas a ponta do icebergue, porque apenas metade dos plásticos flutua, o restante está a ser acumulado no fundo dos oceanos, implicando profundas alterações no equilíbrio ecológico.

Fonte: Público

quinta-feira, 31 de outubro de 2013

Seminário "O Papel dos Comportamentos na Utilização Racional de Energia"

No próximo dia 19 de novembro realizar-se-á o seminário “O papel dos comportamentos na utilização racional de energia”, no Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores (Pólo 2) da Universidade de Coimbra.

segunda-feira, 28 de outubro de 2013

Energia eólica atinge novo recorde de consumo esta madrugada

A potência eólica injetada na rede pública registou um novo máximo histórico na madrugada do passado dia 23, atingindo 84% do consumo verificado às 2:00, segundo dados da REN - Redes Energéticas Nacionais.
   
Até terça-feira, os 228 parques eólicos em serviço (que totalizam uma potência ligada à rede de 4330 MW), asseguraram 23% do consumo nacional. Este ano, o conjunto da produção renovável - eólica, hídrica, biomassa e fotovoltaicas - abasteceu 58% do consumo nacional, segundo os dados da empresa gestora das redes energéticas nacionais.

Fonte: Oje

sexta-feira, 25 de outubro de 2013

Renováveis de fora das poupanças na energia

As poupanças que o Estado quer fazer nas rendas do sector energético vai deixar de fora, desta vez, as renováveis. A Governo anunciou esta sexta-feira um segundo pacote de poupanças no sector que pode atingir os 1.400 milhões de euros, e que com as restantes medidas apresentadas no âmbito da sétima avaliação da troika levam o Executivo a projectar um corte de mais de três mil milhões de euros.

Mas desta vez as renováveis ficaram de fora desta contribuição. Porquê? “As energias renováveis já receberam um corte significativo na sétima avaliação, na casa dos 150 milhões de euros nas eólicas, e às mini-hídricas foi-lhes antecipado o período de remuneração em dez anos, de 35 anos para 25 anos”, começou por explicar o ministro do Ambiente, Ordenamento do Território e da Energia, Jorge Moreira da Silva. Na sua opinião, não se justificava agora que este segmento fosse novamente chamado a colaborar.

O governante acrescentou ainda um outro conjunto de razões para esta especificidade. “As renováveis que estão a ser licenciadas com legislação posterior a 2005, já têm uma remuneração que é das mais baixas da Europa, sete euros por Mw/h”, explicou Moreira da Silva.

O ministro disse ainda que as renováveis têm uma série de externalidades positivas, do ponto de vista industrial e ambiental. E que a política europeia, porque “não há almoços grátis”, obriga a que aposta neste tipo de energia se mantenha para o país cumprir as metas a que se propôs até 2020.

quarta-feira, 23 de outubro de 2013

Notícias soltas #35

Reino Unido dá luz verde a nova central nuclear: Dois novos reactores produzirão electricidade para seis milhões de habitações. O Governo britânico deu luz verde a uma nova central nuclear no país, a primeira a ser construída nos últimos 25 anos. Serão dois novos reactores, com capacidade para abastecer seis milhões de habitações, a instalar em Hinkley Point, no Sudoeste da Inglaterra, onde já existe uma central em operação e outra desactivada.

O Reino Unido tem 16 reactores nucleares em funcionamento, os quais respondem por cerca de um quinto do abastecimento eléctrico do país. As centrais são, contudo, antigas – 29 reactores foram já encerrados e os que estão operacionais não têm mais de dez anos de vida útil pela frente. Renovar o parque nuclear é uma das apostas do Governo britânico para reduzir as emissões de dióxido de carbono nas próximas décadas. 

Arrotos de vaca: uma fonte de energia alternativa: Mochila nas costas das vacas criada para recolher os gases produzidos durante a digestão, permitindo a produção de biocombustível. A produção de energia, para a indústria ou para os transportes, é a principal responsável pela emissão de gases com efeito de estufa, por estar ainda demasiado dependente da queima de combustíveis fósseis, como o petróleo e o carvão. 

Mas a produção animal representa também um dos grandes factores de emissão destes gases, contabilizando já 14,5% dos gases de efeito estufa devido às actividades humanas, segundo um relatório recente da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO, na sigla em inglês).

Governo aperta metas de recolha selectiva de lixo mas não em todo o país: Novo plano para os resíduos urbanos prevê investimento de 320 milhões de euros até 2020. O Governo quer aumentar a retoma de resíduos recicláveis através de recolha selectiva para 47 quilos por habitante, por ano, o que nalguns sistemas implica um aumento de mais de 50% em relação a valores actuais. Mas a forma como cada sistema vai contribuir para esta meta nacional será, pela primeira vez, diferenciada. Este é um dos objectivos do novo Plano Estratégico para os Resíduos Sólidos Urbanos (PERSU) 2020, apresentado ontem pelo ministro do Ambiente, Jorge Moreira da Silva.

O PERSU prevê também o aumento da percentagem de resíduos urbanos reciclados para o dobro, de 24% em 2012 para 50% em 2020, e ainda a diminuição da deposição directa de resíduos em aterro, dos actuais 63% para 35% em 2020. Estes são objectivos "ambiciosos", mas "realistas", sublinha o ministro. Para os cumprir, está previsto um investimento de 320 milhões de euros, entre fundos comunitários e nacionais.

Energia: Hotel português é o mais eficiente da Europa O Corinthia Hotel Lisbon acaba de ser distinguido como 'Melhor Projeto de Eficiência Energética' da Europa, depois de, no primeiro semestre do ano, o mesmo ter conseguido uma redução do consumo de energia superior a 25%.

Implementado pela Galp Soluções de Energia, o prémio visa distinguir os projetos desenvolvidos fora dos Estados Unidos que se destaquem pelas suas características inovadoras e é atribuído pela Association of Energy Engineers. Em comunicado enviado ao Boas Notícias, o Corinthia Hotel Lisbon revela ter conseguido reduzir em 25% o consumo energético naquele empreendimento, um valor que corresponde a menos 600 mil KW/h e menos 290 toneladas de CO2. 

segunda-feira, 21 de outubro de 2013

Emissão de gases com efeito de estufa caiu 1,2% em 2011

Portugal emitiu menos 1,2% de gases com efeito de estufa (GEE) em 2011 em relação ao ano anterior, segundo os dados mais recentes revelados nesta sexta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE). Ainda assim, a redução foi menos acentuada do que em 2010, ano em que o decréscimo foi de 5,6%. Isto significa que a tendência de redução que se verifica desde 2005 abrandou em 2011.

Em 1990, ano que serve de referência ao Protocolo de Quioto, Portugal emitia cerca de 60 milhões de toneladas de dióxido de carbono (CO2) equivalente. Desde então, as emissões têm tido oscilações, com tendência para aumentarem, sobretudo entre 1999 e 2005. Segundo dados do Eurostat, em 2010 foram emitidos 70,6 milhões de toneladas de CO2 equivalente e em 2011 este valor caiu para cerca de 69,7 milhões de toneladas. É um “mínimo histórico” desde 1995, nota o INE.

A culpa para o abrandamento da redução em 2011 é, pelo menos em parte, da meteorologia: nesse ano choveu menos do que a média, logo a produção de electricidade nas centrais hidroeléctricas foi menor, o que levou os portugueses a aumentarem o uso de fontes de energia mais poluentes, como o carvão.

Segundo o relatório Conta das Emissões Atmosféricas, do INE, os sectores da energia, água e saneamento e da indústria foram os que mais contribuíram para o potencial de efeito de estufa em 2011, pesando 29,9% e 25,2%, respectivamente. As famílias surgem em terceiro lugar nesta lista, responsáveis por 17,6% das emissões, com tendência a aumentar este peso.

Tendência de aumento 
As emissões per capita seguem numa tendência de aumento, tal como acontece em Chipre, Malta, Eslovénia, segundo o mais recente relatório da Comissão Europeia sobre os Progressos na Realização dos Objectivos de Quioto e da Estratégia 2020 da União Europeia (UE), publicado a 9 de Outubro. Ainda assim, a quantidade de GEE emitida por cada português, cerca de seis toneladas de equivalente CO2, é inferior à média da UE de nove toneladas de equivalente CO2.

Nos 15 Estados-membros da UE que assinaram inicialmente o Protocolo de Quioto, as emissões de GEE diminuíram em 4,2% em relação a 2010, sendo 14,9% inferiores às do ano de referência. Preparam-se assim para superar o compromisso assumido para o período de 2008-2012, de reduzir em 8% as emissões.

Fonte: Público

sexta-feira, 18 de outubro de 2013

Contribuição Extraordinária sobre o Sector Energético (CEDE)

A nova Contribuição Extraordinária sobre o Sector Energético (CEDE), anunciada pelo vice-primeiro-ministro Paulo Portas no início de Outubro e que será cobrada às empresas de produção, transporte, armazenagem e distribuição de energia, irá permitir que o Estado arrecade 153 milhões de euros. A taxa é, segundo informação do Ministério do Ambiente, Ordenamento e Energia, temporária já que a sua aplicação termina em Outubro de 2014.

A CESE, prevista na proposta de Orçamento do Estado para 2014, incide sobre os activos das centrais de produção de electricidade (carvão, barragens e cogeração acima de 20 MW); transporte e distribuição de electricidade; armazenagem, transporte, distribuição e comercialização grossista de gás natural; e refinação, armazenamento, transporte, distribuição e comercialização grossista de petróleo.

O sector do gás irá contribuir com 23 milhões de euros (15% do esforço), a electricidade com 91 milhões (59% do total) e o petróleo com 39 milhões (26%).

Estas verbas "destinam-se, num momento de emergência nacional, a apoiar a execução do Orçamento do Estado e os consumidores de energia", explica o ministério liderado por Moreira da Silva.

Assim, do total de 153 milhões de euros, 103 milhões serão utilizados, no âmbito do OE, a diferentes medidas na área da energia como o apoio social ao consumidor de energia ou o gasóleo verde. Os restantes 50 milhões servirão para a redução do défice tarifário e medidas de eficiência energética, informa o Ministério.

Estão isentos os produtores de energias renováveis e actividade de retalho. O Governo assegura que os consumidores que ainda estão no mercado regulado não verão as tarifas aumentadas. Resta saber o que irá acontecer a quem já está no mercado liberalizado - que no final de Agosto, representava já 69,1% do consumo total nacional, quase dois milhões de clientes. No caso do subsector não regulado do petróleo, "a não repercussão será assegurada através de políticas de concorrência e da monitorização dos mercados".

Fonte: EDP

quarta-feira, 16 de outubro de 2013

Tarifas eléctricas aumentam 2,8% em 2014

As tarifas eléctricas para a maioria das famílias com tarifa regulada vão aumentar 2,8% em 2014, de acordo com a proposta da ERSE – Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos, apresentada nesta terça-feira ao Conselho Tarifário. O aumento nominal de 2,8% para 2014 fica dentro do tecto de 1,5% de aumento real prometido pelo Governo, segundo os parâmetros da ERSE. 

Em comunicado, a ERSE diz ainda que a tarifa social sobe 1%, sendo este aumento para os escalões de menor consumo e normalmente de lares mais desfavorecidos.

Para uma família com uma factura média mensal de 46,5 euros, no escalão da baixa tensão normal (BTN) com potência até 20,7 kVA, o aumento em 2014 deverá resultar num acréscimo mensal de 1,21 euros na factura mensal, de acordo com as estimativas da ERSE.

Nas famílias com tarifa social, com uma factura média mensal de 23,5 euros, o aumento na factura também mensal deverá ser de 23 cêntimos.

Fonte: Público

segunda-feira, 14 de outubro de 2013

Data center da Covilhã quer poupar até 40 por cento de energia

A empresa Oliveira&Irmão (OLI) equipou o recém-inaugurado centro de processamento de dados (Data Center) da Portugal Telecom na Covilhã, com autoclismos interiores e placas de comando de descarga de água, soluções que garantem uma maior eficiência hídrica.

A PT prevê uma poupança de 40 por cento no consumo de energia e de 144 mil toneladas de emissões de dióxido de carbono (CO2). As soluções da OLI, segundo um comunicado da empresa, foram ao encontro das exigências da construção sustentável do projecto arquitectónico de João Carrilho da Graça, que obteve as certificações "Leed Gold" e “Leed Platinium”, atribuídas a edifícios amigos do ambiente. 

sexta-feira, 11 de outubro de 2013

Projecto Bio+Sintra





A Parques de Sintra-Monte da Lua (PSML) viu prolongado, pela Comissão Europeia, o seu projecto Bio+Sintra, comparticipado pelo Programa LIFE. A sociedade de capitais públicos terá mais um ano para desenvolver o seu projecto, co-financiado na área de Informação e Comunicação, que visa sensibilizar os visitantes para a necessidade da redução da pegada de carbono e dessa forma contribuir para o aumento da biodiversidade na serra sintrense.

A paisagem cultural de Sintra está classificada como património mundial pela UNESCO desde 1995. A área distinguida inclui parte do centro histórico e da serra, mas a classificação inclui ainda uma “zona tampão”, que se estende até ao litoral, destinada à preservação da envolvente paisagística dos principais parques históricos e monumentos geridos pela sociedade constituída por organismos do Estado e pelo município. O projecto LIFE, aprovado em 2009, visa a sensibilização dos visitantes para a necessidade de diminuição das emissões de dióxido de carbono, um dos principais gases com efeito de estufa, e para a salvaguarda das espécies e habitats locais.

Segundo os objectivos do projecto, orçado em 995.514 euros e comparticipado pela União Europeia em 440.257 euros, as campanhas de educação ambiental envolvem a criação de 25 grupos de trabalho em escolas da região, com um total de meio milhar de alunos. Uma centena de cidadãos de associações locais e 25 empresas da zona são também convidados a promover acções de compensação de emissões de carbono e perda de biodiversidade. Numa área de 900 hectares, incluída na rede Natura 2000, situam-se os parques e palácios da Pena e de Monserrate (na foto), o Castelo dos Mouros, o Convento dos Capuchos e o Palácio Nacional de Sintra. Por isso, o projecto visa também reduzir, através da adopção de boas práticas, cerca de 10 por cento da pegada ambiental dos 1,6 milhões de visitantes anuais.

O prolongamento do projecto permitirá divulgar um novo sistema de energias renováveis na Quintinha de Monserrate. A adopção de painéis solares, um aerogerador eólico e uma hidro-turbina permite, garante Inês Moreira, “produzir toda a electricidade necessária para a quintinha funcionar, sem depender da rede” pública de abastecimento de energia. Esta auto-suficiência energética possui vantagens ambientais e económicas.

quarta-feira, 9 de outubro de 2013

PPEC 2013-2014: Medidas aprovadas

Foi recentemente publicada a lista de medidas aprovadas no âmbito do PPEC 2013/2014 - Plano de Promoção da Eficiência no Consumo. Neste contexto, a AMES viu aprovadas duas candidaturas submetidas ao PPEC 2013 - 2014: 

MASTER WATT Com a implementação da medida pretende-se desenvolver ações de formação para dotar docentes dos conhecimentos necessários para uma melhor comunicação no ensino dos alunos a seu cargo sobre as temáticas do consumo de energia e uso racional de energia. Estão previstas parcerias com a OEINERGE, a AREANATEJO, a S.ENERGIA, a ENA e a ASSOCIAÇÃO DE PROFESSORES DE SINTRA.

VAGB II A medida visa a instalação de 36 variadores eletrónicos de velocidade e 45 baterias de condensadores e destina-se às entidades gestoras de águas. Estes equipamentos serão instalados em estações elevatórias de água de abastecimento ou águas residuais (EEAA ou EEAR), em estações de tratamento de águas (ETA) ou estações de tratamento de águas residuais (ETAR), nos sistemas de bombagem ou ventilação, nas áreas de intervenção do promotor e das entidades associadas. Estão previstas parcerias com a ENA e a S.ENERGIA.

A AMES participará como Entidade Associada em diversas outras medidas aprovadas no âmbito do PPEC, nomeadamente:

Medidas promovidas pela RNAE: 
  • REFLUX – REGULAÇÃO DE FLUXO LUMINOSO NA ILUMINAÇÃO PÚBLICA, LUZ CERTA NO SEU MUNICÍPIO Instalação de equipamento para a regulação do fluxo luminoso na iluminação pública.
  • LUZ CERTA NO SEU MUNICÍPIO Instalação de equipamento (transformadores) para a redução da potência consumida por lâmpadas fluorescentes T8 ou T12 com balastros ferromagnéticos assim como a correção do fator de potência. 
  • YOUNG ENERGY LEADERS - REDE DE JOVENS LÍDERES PARA A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Sensibilização generalizada da população residente em Portugal para a temática da eficiência energética através da realização de um concurso ao nível das escolas secundárias. 
  • SMART OFFICES Disponibilização de uma ferramenta de diagnóstico, gestão e treino da performance nos consumos elétricos de edifícios de escritórios.

Medidas promovidas pela S.ENERGIA:
  • CONHECER&AGIR: PLATAFORMA DE MEDIÇÃO E DIVULGAÇÃO DOS CONSUMOS ELÉTRICOS DESAGREGADOS E BENCHMARKING DOS CONSUMOS DE ENERGIA ELÉTRICA EM EDIFÍCIOS ADMINISTRATIVOS MUNICIPAIS Disponibilização aos funcionários municipais e munícipes de informações relevantes sobre o desempenho energético de 27 edifícios administrativos municipais, no que se refere ao consumo de energia elétrica, promovendo a adoção de comportamentos mais eficientes que demonstrem os benefícios decorrentes.
  • ECOBOMBEIROS – SENSIBILIZAÇÃO PARA A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM QUARTEIS DE BOMBEIROS Realização de auditorias simplificadas em 46 corporações de Bombeiros Voluntários, Sapadores ou Mistas com apresentação de medidas de melhoria relacionadas com o consumo de energia elétrica.
Medidas promovidas pela ADENE:

  • TUTORES DE ENERGIA NAS ESCOLAS Criação da figura de tutor de energia em 120 agrupamentos de escolas do ensino básico e secundário (num total de 200 tutores) dando-lhes formação sobre a correta utilização de equipamentos 
  • FORMAÇÃO DE GESTORES MUNICIPAIS DE ENERGIA Dotação dos gestores municipais de energia de informação que lhes permita identificar, implementar e verificar as medidas de eficiência energética.
  • ENERGY GAME II Dando continuidade à medida com o mesmo nome implementada no PPEC 2009-2010, consiste num jogo interativo que funciona em PC portátil e é projetado num ecrã. 
Medida promovida pela OesteSustentável:
  •  ENERGIA + POSITIVA Concurso inter-escolas para as cerca de 150 escolas do 3º Ciclo de Ensino e secundário (alunos, professores e funcionários), de forma a promover a utilização racional da energia em edifícios escolares. 
Medida promovida pela ENA:
  • GESTÃO DE ENERGIA ELÉTRICA EM PME’S Realização de auditorias energéticas em 48 PME´s, nas quais serão introduzidas metodologias de gestão de energia de acordo com as preconizadas pela Norma PT EN ISO 50001 e posterior disseminação das boas práticas e resultados alcançados para estimular o mercado na adoção destas práticas de gestão energética.

segunda-feira, 7 de outubro de 2013

Potência instalada de renováveis aumentou 25% ao ano na última década

A potência instalada de energias renováveis em Portugal registou um aumento médio anual de 25% na última década, segundo dados divulgados nesta quinta-feira pela empresa de estudos espanhola DBK. A DBK refere, no entanto, que o ritmo de crescimento “tende para um abrandamento significativo, devido às dificuldades de financiamento existentes e aos cortes dos incentivos públicos à produção”.

Em Dezembro de 2012, a potência instalada total em Portugal continental foi de 5289 Megawatt (MW), mais 244 MW do que no mesmo mês do ano anterior. No que respeita ao tipo de energia, a potência instalada de energia eólica representou 84,1% do total em 2012, atingindo os 4450 MW, um crescimento de 3,5% em relação a 2011. A energia de mini-hídricas (gerada em instalações com uma potência inferior ou igual a 10 MW) registou uma potência de 359 MW em 2012, o equivalente a 6,8% do total.

A DBK destaca a “crescente participação da solar fotovoltaica e da energia procedente do aproveitamento do biogás”, que registaram, em 2012, aumentos em termos de potência instalada de 43% e 42%, respectivamente.

A produção de electricidade a partir de energias renováveis situou-se nos 12.144 Gigawatts/hora (GWh) no ano passado, o equivalente a 26,9% da produção eléctrica total em Portugal continental, enquanto as receitas resultantes da venda desta energia atingiram 1274 milhões de euros, uma subida de 12,5% relativamente a 2011.

Fonte: Público

sexta-feira, 4 de outubro de 2013

Entrevista: "É efectivamente seguro beber água da torneira"

“Portugal é um país onde é efectivamente seguro beber água da torneira”. Esta é a principal conclusão do relatório “A Qualidade da Água para Consumo Humano em 2012”, divulgado no Dia Nacional da Água pela Entidade Reguladora dos Serviços de Águas e Resíduos (ERSAR). A percentagem de água segura é agora de 98,2 por cento quando, nas últimas duas décadas, andava pelos 50 por cento. O portal AmbienteOnline entrevistou o presidente da ERSAR, Jaime Melo Baptista, que falou mais detalhadamente do relatório. 

Para sublinhar esta qualidade, partilhamos aqui o vídeo "Story of Bottled Water" do Projecto Story of Stuff, criado pela activista norte-americana Annie Leonard com o objectivo de ampliar a discussão sobre diversos aspectos ambientais, sociais e económicos. Neste vídeo, o foco é a indústria da Água Engarrafada, a verdadeira história por trás desse hábito moderno. 

quarta-feira, 2 de outubro de 2013

Projecto-piloto na Junta de Freguesia de Queluz

Enquadramento
A AMES elaborou um estudo em Novembro de 2010 para a racionalização dos consumos energéticos no edifício-sede da Junta, apontando para 25% de peso da iluminação no consumo de um edifício de escritórios, e para um potencial de 20% de poupança com a aposta em iluminação eficiente e de 30% com a substituição de balastros ferromagnéticos por electrónicos.

A substituição da iluminação ocorreu em 2011, tendo sido substituídas 23 unidades fluorescentes T8 de 36W de baixo rendimento por unidades T5 de 28W, assim como os respectivos balastros. 

De acordo com os Planos de Actividades estabelecidos no âmbito do protocolo de Colaboração entre a Junta de Freguesia de Queluz e a AMES, foi feito um acompanhamento dos consumos registados no edifício-sede em 2010, 2011, 2012 e 2013.

Projecto-piloto CGreen
No âmbito do Plano de Actividades definido para o ano de 2013, a AMES contou com a colaboração da CGreen para o estabelecimento de um projecto-piloto de disponibilização de um sistema de Gestão de Energia que permitisse a medição do consumo de energia em tempo real no edifício-sede da Junta de Freguesia, com o objectivo de optimização dos níveis de consumo e de redução de custos.

Estimativa da poupança pela Iluminação Eficiente
Tendo em conta que a iluminação anterior era de tecnologia ineficiente T8 de 36x2 W de potência, que foram substituídas 23 unidades (Piso 0 e Piso 1) em Março de 2011 por T5 de 28x2 W, e que um balastro ferromagnético consome 25% do total da luminária e que a Phillips aponta para poupanças de 25% dos seus balastros electrónicos, podemos calcular as diferenças de consumo entre as mesmas. 

Assim, assumindo uma utilização diária de 11h (10+1h, valor por excesso pois a equipa de limpeza apenas actua 3 dias por semana) e 21 dias úteis (média de 2010, 2012 e 2013), podemos calcular os consumos anteriores e posteriores à substituição:
antes: 23x2x0,036x11x21 + 25% consumo do balastro ferromagnético = 478,17 kWh mensais;
depois: 23x2x0,028x11x21 + 18,75% consumo do balastro electrónico = 353,31 kWh mensais

Conclusões
A disponibilização do sistema de gestão energética pela CGreen permitiu aferir que o perfil de consumo no edifício-sede da Junta de Freguesia é normal, sem valores excessivos, que o consumo registado nos fins-de-semana é residual, e que a única hipótese de redução da factura energética será através da negociação da tarifa com a EDP e da eventual redução da potência contratada. 

Quanto à verificação da poupança proporcionada pela instalação de iluminação eficiente, a comparação do consumo médio mensal verificado em 2010 (anterior à substituição da iluminação) e em 2012 (posterior), com os valores mensais calculados de consumo das 23 luminárias antes e após a substituição, permite concluir que o peso dessas 23 luminárias no consumo total desceu de 26,7 para 19,3%, ou seja, uma descida/poupança de 28% (7,4 pontos percentuais).